Exportações de Armas e Munições

Na América do sul, o Brasil lidera nas exportações de armas e munições, estando há oito anos seguidos exportando mais de US$ 300 milhões por ano. Em 2019, estimou-se que 12.523,32 toneladas foram vendidas, rendendo um total de US$ 366,13 milhões. Entre as principais indústrias bélicas, notam-se nomes como Taurus, Companhia Brasileira de Cartuchos e a Indústria de Material Bélico do Brasil — conhecida, também, como Imbel.

Agora, que tal descobrirmos um pouco mais sobre a exportação de armas no brasil? Pegue o seu café e vamos aos fatos e dados. Vem! 😉

Exportações de Armas e Munições: dados

No ano passado, 2019, houve alta nas exportações deste produto. Foram produzidas 33,3% mais toneladas, vendidas 7,4% mais armas e munições. Já em 2020, o ano começou com uma queda no primeiro trimestre, se for levar o ano anterior como modelo, tendo 37,9% a menos de vendas, totalizando US$ 47,06 milhões. Quais são as suas expectativas para este ano?

As Unidades Federativas que tomaram frente, em 2019, nas exportações de armas e munições brasileiras foram: São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná e Rio de Janeiro, respectivamente. Para ilustrar melhor:

Dados retirados de ComexStat – Janeiro a dezembro de 2019.

 

Exportações de Armas e Munições: países destinos

Assim como em outros setores, os Estados Unidos aparecem como aliados na hora de comprar esse tipo de produto brasileiro. O país norte-americano saiu na frente, seguido da Arábia Saudita, Indonésia, Emirados Árabes Unidos, Filipinas, Países Baixos Alemanha. 

Veja a lista completa para onde o Brasil exporta Armas:

País destino das exportações

US$ FOB

Estados Unidos 166 milhões
Arábia Saudita 42,9 milhões
Indonésia 43,5 milhões
Emirados Árabes Unidos 11,5 milhões
Filipinas 11,2 milhões
Países Baixos 10,5 milhões
Alemanha 7,78 milhões

Dados retirados de ComexStat – Relações de 2019

 

No primeiro trimestre deste ano, os Estados Unidos se mantiveram como principais compradores, mas, dessa vez, ocuparam espaço de mais da metade, sendo responsável por 66% da compra, ao seu lado, encontram-se: Emirados Árabes Unidos, Filipinas, Jamaica, Israel, Arábia Saudita, Bélgica e Alemanha.

Exportações de armas e munições: fatos

Saindo da parte técnica, vamos falar sobre as políticas de exportações de produtos bélicos. Afinal, como funciona a exportação de armas?

Reguladas pela Política Nacional de Exportação de Material de Emprego Militar (PNEMEM), as vendas o Estado torna-se essencial durante o processo, uma vez que deve ser encaminhado um pedido de negociação ao Itamaraty, posteriormente, o órgão encaminha a solicitação para outras instâncias, estas localizadas dentro do Ministério das Relações Exteriores. Após a análise, é passado ao diretor do Departamento de Produtos de Defesa, essa é a reta final. Porém, em casos de divergências, o Presidente da República atuante deve ser consultado e, só assim, pode ser dado como “em andamento” o pedido do cliente. Todos esses passos devem estar alinhados às recomendações da ONU.

Em 2013, o Brasil assinou o Tratado de Comércio de Armas, o qual coloca algumas limitações para as vendas de armas leves e outros armamentos bélicos. O documento tem como principal função impedir que as vendas sejam feitas para países que buscam oprimir a população ou incentivar atividades terroristas. Entretanto, o acordo só entrou em vigor no início de 2018, assinado pelo ex-Presidente Temer, uma vez que estava parado no Executivo e, tempos depois, foi enviado ao Congresso Nacional, aguardando o legislativo fazer sua função. Durante todo esse demorado percurso, algumas empresas forneceram armas para o Djibouti, que repassou para traficantes internacionais. Onde será que vai parar essa história?

 

E ai, gostou deste artigo? Então se inscreva no nosso blog e fique por dentro de mais notícias sobre exportação, importação e drawback. 😉

Resumo

Sinara Bueno

Despachante Aduaneira, formada em Comércio Exterior e empreendedora. Apaixonada por criar e inovar no Comex! Trabalhou na área de importação e exportação de indústrias, consultorias de comércio exterior e, nos últimos anos, tem se dedicado aos sistemas para comex. É co-founder da Fazcomex Tecnologia para comércio exterior.