Importação de Gás Natural e liquefeito

A importação de Gás Natural Liquefeito (GNL) deixou de ser esporádica no Brasil e passou a ser sistemática, por ser o combustível uma necessidade para o suprimento das usinas térmicas. O consumo de gás natural no Brasil cresceu 22% no ano de 2018, contra um aumento da produção nacional da ordem de 7%, o que obrigou a Petrobras a importar mais GNL para atender o mercado.

No nosso texto de agora, vamos entender melhor como foram as importações do produto no ano de 2019. Vamos lá.

 

Importações de Gás Natural ou Liquefeito

O ano de 2019 não foi muito bom para as importações de Gás Natural ou Liquefeito, as quais apareceram em queda se comparada aos anos anteriores. O consumo de gás natural no Brasil cresceu 22% nos últimos 10 anos, contra um aumento da produção nacional da ordem de 7%, o que obrigou a Petrobras a importar mais GNL para atender o mercado. O valor de 2019 foi de US$ 1,93 bilhão, valor este inferior ao ano de 2018, quando esse valor foi de US$ 2,5 bilhões.

O ano de 2020 mostra um valor parecido ao ano de 2019 no mesmo período (Janeiro a março), o valor FOB foi de US$ 436 milhões. 

No primeiro trimestre de 2020 as Importações de Gás Natural ocuparam a 21º posição no Ranking das Importações do Brasil. 

O estado do Mato Grosso do Sul, neste mesmo período, foi o maior importador de Gás do Brasil. 

De onde vem o Gás Natural ou Liquefeito que importamos

Confira agora de quais países costuma vir o Gás Natural ou Liquefeito para o Brasil.

País de Origem % Valor FOB US$
Bolívia 67 1,29 bilhão
Estados Unidos 14 269 milhões
Trinidad e Tobago 5,3 102 milhões
Países Baixos 3,6 69,5 milhões
Noruega 3,1 59,7 milhões
Nigéria 3 57,9 milhões
Camarões 1,5 29,6 milhões
Guiné equatorial 1,4 28 milhões
Angola 1 20,2 milhões

Fonte: ComexStat

Ao todo, nove países são responsáveis por exportar o produto para o Brasil e entre eles, o principal é a Bolívia, a qual no ano de 2019 apresentou uma diminuição na importação, pois o Brasil vem comprando cada vez menos gás da Bolívia. Um dos motivos que explicam a redução das importações de gás boliviano é o preço menor do gás natural liquefeito (GNL) no mercado internacional de países como os Estados Unidos, o qual também aparece na nossa tabela. Isso levou o Brasil a reduzir a compra na Bolívia, segundo a Petrobras.

O que é o Gás Natural e Liquefeito

O gás natural é a terceira fonte energética mais importante do mundo. Esse combustível de origem fóssil, composto principalmente por hidrocarbonetos (carbono e hidrogênio), é encontrado no estado físico gasoso. No entanto, o processamento do gás natural pode originar outros combustíveis, como, por exemplo, o gás natural liquefeito, também chamado de GNL.

A obtenção do gás natural liquefeito se dá através da purificação do gás natural, em que a matéria-prima (gás natural) é submetida a uma temperatura de -162 °C, tendo seu volume reduzido em aproximadamente 600 vezes. Durante esse processo, ocorre a condensação, ou seja, a passagem do estado gasoso para o líquido.

Após esse procedimento, o gás natural liquefeito é produzido, sendo composto principalmente por metano e, em menores proporções, por etano, propano, entre outros componentes encontrados no gás natural. Esse combustível incolor e inflamável deve ser armazenado e transportado de forma segura, visto que os riscos de acidentes são altos.

O transporte entre o local de produção ao centro consumidor é realizado em navios adaptados. O primeiro registro de tal feito é de 1959, quando um navio estadunidense exportou GNL para o Reino Unido.

O GNL é empregado como combustível nas indústrias, veículos pesados e automóveis de passeio. Porém, para receber esse combustível, os automóveis devem passar por adaptações em locais credenciados, onde ocorrerá a instalação de um sistema formado por um reservatório, indicador de nível do reservatório e um vaporizador.

Entre os benefícios gerados pela utilização do gás natural liquefeito estão: facilidade de armazenagem, sua combustão libera menos gases poluentes, ele é bastante energético, muito eficaz, além de ser mais barato que o álcool e a gasolina.

Dados Estatísticos de 2021: Exportação e Importação

Em  2021 (até o mês de Novembro), o Brasil totalizou um valor corrente de negociações no comércio exterior de US$ Milhões 454.996,8. 

Sendo US$ Milhões 256.028,3 de exportações, e US$ Milhões 198.968,5. Gerando um superávit de US$ Milhões 57.059,8.

O produto mais importado no ano de 2021 foi o “Adubos ou Fertilizantes Químicos”.

Quanto ao produto mais exportado no ano foi  “Minério de Ferro e seus concentrados” conforme dados do ComexStat.

E aí, gostou deste artigo? Então se inscreva no nosso blog e fique por dentro de mais notícias sobre comércio exterior.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 3.9 / 5. Número de votos: 41

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Resumo

Sinara Bueno

Despachante Aduaneira, formada em Comércio Exterior e empreendedora. Apaixonada por criar e inovar no Comex! Trabalhou na área de importação e exportação de indústrias, consultorias de comércio exterior e, nos últimos anos, tem se dedicado aos sistemas para comex. É co-founder da Fazcomex Tecnologia para comércio exterior.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade. Conheça nosso Portal da Privacidade e veja a nossa nova Política.