O que é um ERP?

Desenvolvido para possibilitar automação da empresa, o ERP serve como uma espinha dorsal dos negócios eletrônicos, possibilitando armazenar qualquer informação dos setores.

O que você vai ver nesse artigo?

  • Para que serve o ERP;
  • O que ele fez dentro de uma empresa;
  • Suas principais vantagens;
  • Porque você precisa dele no seu negócio;
  • Empresas que dominam o mercado;
  • Seus custos de serviço; e 
  • As novas tecnologias que estão sendo colocadas no mercado de ERP

Preparado para aprender? Vamos lá!

O que é ERP?

ERP  é a sigla para Enterprise Resource Planning, que em português significa sistema integrado de gestão empresarial. Basicamente são softwares para empresas que auxiliam na integração e no controle de dados beneficiando todo o processo administrativo, fazendo a conexão de informações entre todos os setores, desde a área de vendas, contabilidade, finanças, até a produção, estoque e distribuição.

O termo foi criado em 1990, para denominar a evolução dos softwares que eram usados nas organizações. Com a utilização do sistema integrado, os processos nas empresas deixaram de ser voltados aos setores separadamente e começaram a abranger eles de forma paralela, armazenando tudo em um só programa, sua popularização nas empresas também teve impacto pelo seu baixo custo.

Para que serve um ERP?

As funcionalidades que o sistema integrado oferece, desde a sua criação, traz reconhecidamente muitas vantagens para as empresas, como o crescimento do uso dele e de novas formas de trabalhar a partir de seu uso. 

Abaixo listamos outros pontos:

  • Simplificar os processos da empresa;
  • Integrar inteligência, segurança para as informações da empresa;
  • Integrar os departamentos;
  • Automatizar atividades;
  • Controle de estoque;
  • Controle de custos;
  • Administrar prazos; e
  • Eficiência e produtividade.

Além de auxiliar na comunicação interna da empresa integrando as informações e controlando os dados,  o software também previne de erros humanos como cálculos tributários e financeiros, consequentemente esses dados podem ser extraídos para consulta deixando a gestão transparente e com dados confiáveis. 

Quando se utiliza um sistema integrado? 

Para entender como funciona o sistema, podemos analisar ele como um grande banco de dados da empresa que se interage naturalmente, desfazendo todas as dificuldades que existem nos processos desde a sua produção, até a sua entrega. 

Com o sistema a empresa tem a possibilidade de se planejar melhor e ter uma forma mais inteligente de administração, conseguindo produzir mais e controlar seus gastos. Ao entender melhor, cada processo com o sistema integrado, a empresa consegue ter mais êxitos.

Para as pequenas empresas, o ERP torna-se cada vez mais fundamental, pela grande competitividade que existe hoje no mercado. O sistema pode trazer as tomadas de decisões assertivas, e minimizar erros rapidamente.

As vantagens do ERP

As principais vantagens do sistema integrado é a sua qualidade em organizar as informações da organização e a eficácia que ela causa na potencialização no trabalho dos setores. A redução de custos na utilização do software e a exclusão de interfaces manuais são reconhecidamente garantias que a melhor escolha é utilizá-lo. Porém, existem outras vantagens que listamos para você:

  • Agilidade empresarial;
  • Otimizar o fluxo da informação e a qualidade da mesma dentro da organização;
  • Otimizar o processo de tomada de decisão;
  • Eliminar a redundância de atividades;
  • Reduzir os limites de tempo de resposta ao mercado;
  • Reduzir o tempo dos processos gerenciais;
  • Redução de estoque;
  • Melhor controle das operações da empresa; e
  • Adequação ao cumprimento das legislações 

Como funciona o sistema integrado?

O ERP, contém dentro de sua interface várias ferramentas onde são postas informações de serviço que quando trabalhadas juntas geram informações únicas, onde posteriormente podem ser acessados por todos os departamentos da empresa, via a utilização do sistema. 

Atualmente, os sistemas começam a trazer novas tecnologias como a inteligência artificial que já traz novas funções ao software como parte atuante dos processos e a utilização de nuvens para armazenamento de informações. 

Custos 

ERPs podem ser pagos ou gratuitos, porém existem diferenças grandes, como no caso dos gratuitos que têm seus códigos abertos, que mesmo sendo de graça não trazem tantas funcionalidades e segurança. 

Geralmente os ERPs gratuitos, possuem funcionalidades restritas, poucas medidas de segurança, além de não oferecer suporte ou soluções. Já os pagos, além de trazer todas essas funcionalidades estão sempre em constantes atualizações. Os preços dos ERPs podem variar de R$ 19,00 a R$ 5.000,00, dependendo da necessidade da empresa, sempre importante fazer uma pesquisa minuciosa no mercado para contratar o que melhor atende seu negócio. 

Principais softwares de ERP no Brasil

Segundo pesquisa feita ano passado pela fundação Getúlio Vargas, três empresas comandam o mercado brasileiro de ERP no Brasil, 81% giram o mercado entre elas, com domínio para a fabricante brasileira TOTVS com 35% do controle.

Fonte: 29ª Pesquisa anual do uso de TI, 2018

Futuro do ERP no mercado

Como já dito anteriormente o sistema integrado está passando por algumas inovações e procurando evoluir com novas tecnologias, as principais mudanças estão de forma lenta se adequando ao mercado. 

As nuvens são as principais modificações presentes nos sistemas integrados e a partir de 2019 a tendência é que o sistema em nuvem se torne padrão para todos. 

O grande diferencial seria que os servidores teriam todos acessos via internet, dispensando ter que instalar o software no computador, além das inúmeras vantagens do modelo de ERP em nuvem, o custo também se torna barato e reduz quase em 50% quando chegados a 10 anos de uso.

Outra inovação que vem sendo aderida no mercado é a utilização da inteligência artificial no sistema integrado, onde basicamente faz com que o próprio sistema pense como algum gestor da empresa, onde ele pode avisar sobre erros ou comunicar gestores sobre metas cumpridas. 

Ou seja, as máquinas estariam cada vez mais pensando como funcionários da empresa, diminuindo os números de erros e otimizando os processos de integração entre setores.

Para se adequar na evolução dos sistemas, o próprio comércio exterior também está progredindo com novas formas de tecnologias, principalmente nos processos de exportação, onde se viu uma necessidade muito grande na otimização de procedimentos. Podemos, por exemplo, citar a ferramenta Fcomex que foi desenvolvida com objetivo de auxiliar na criação de Declaração Única de Exportação (DU-E).

E aí? Gostou deste artigo? Então se inscreva no nosso blog e fique por dentro de mais notícias sobre comércio exterior. 😉

Sistema de Emissão de DU-E
leandro.sprenger

Empreendedor, Apaixonado por Tecnologia, Especialista em TI para Comércio Exterior e responsável pela criação de diversos sistemas de BI para Comex por mais de 12 anos. Co-criador da Plataforma de Ensino SimulaComex e do Sistema FComex.

Solicite uma Apresentação do Sistema de DU-E FCOMEX