Objeto encaminhado para fiscalização aduaneira de exportação | Saiba mais

Atualizado em: por Sinara Bueno.

No âmbito do comércio exterior, despachantes aduaneiros, exportadores e importadores deparam-se frequentemente com a situação delicada de um objeto encaminhado para fiscalização aduaneira de exportação

E-book - passo a passo DU-E

Este artigo busca uma análise técnica e profunda dessa realidade, explorando as nuances, as legislações e regulamentações envolvidas, e estratégias para manejar eficientemente esse processo.

Vamos lá? 😉


Objeto Encaminhado para Fiscalização Aduaneira: entenda

A necessidade de fiscalização aduaneira de exportação pode surgir por uma variedade de razões, desde questões documentais até preocupações relacionadas à segurança e conformidade com as normas regulatórias. A abertura de um processo de fiscalização implica em análises minuciosas que visam assegurar a legalidade, precisão e segurança da operação de exportação.

Legislações e Regulamentações Aplicáveis

A compreensão aprofundada das leis e regulamentações é essencial quando se trata de objetos encaminhados para fiscalização aduaneira de exportação. A "Lei nº 9.784/1999", que regula o processo administrativo no âmbito federal, fornece as bases legais para procedimentos aduaneiros.

No contexto específico de exportação, o "Regulamento Aduaneiro" e as instruções normativas da Receita Federal do Brasil, como a IN RFB nº 1.603/2015, delineiam os procedimentos e critérios para a fiscalização aduaneira, desde a habilitação do exportador até o despacho aduaneiro.

Razões para Fiscalização Aduaneira de Exportação

Objetos são encaminhados para fiscalização aduaneira por diversas razões, incluindo a verificação da exatidão das informações prestadas nos documentos fiscais, a avaliação da classificação fiscal da mercadoria, o controle de exportações sensíveis, e a detecção de possíveis irregularidades que possam comprometer a segurança nacional.

Procedimentos Durante a Fiscalização Aduaneira

O processo de fiscalização aduaneira pode envolver a análise detalhada de documentos como a fatura comercial, o conhecimento de embarque, e a declaração de exportação. Além disso, inspeções físicas podem ser conduzidas para verificar a conformidade da mercadoria com a descrição nos documentos, sua classificação tarifária e a identificação adequada.

Os despachantes aduaneiros desempenham um papel crucial nesse estágio, colaborando estreitamente com as autoridades aduaneiras para fornecer informações adicionais quando solicitado e garantir a conformidade com todas as regulamentações.

Estratégias para Facilitar a Fiscalização Aduaneira

Desenvolver estratégias proativas pode facilitar a fiscalização aduaneira de exportação. Isso inclui a implementação de sistemas de gestão aduaneira eficazes, treinamento constante dos envolvidos, e a criação de um sistema interno robusto que assegure a precisão e veracidade das informações declaradas nos documentos.

Além disso, a comunicação transparente e eficiente entre despachantes aduaneiros, exportadores e autoridades aduaneiras é fundamental para garantir uma fiscalização fluida e evitar possíveis atrasos.

Ou seja, a fiscalização aduaneira de exportação é um processo crítico que demanda uma abordagem técnica e detalhada. Despachantes aduaneiros, exportadores e importadores, ao compreenderem as leis, regulamentações e procedimentos envolvidos, podem enfrentar esse desafio com expertise e eficiência. No dinâmico cenário do comércio internacional, a conformidade estrita com as normas e a adaptação constante às mudanças regulatórias são fundamentais para garantir operações suaves e bem-sucedidas.

Novo Processo de Exportação: O que é?

Atualmente, existem diferentes frentes de trabalho dentro do Programa Portal Único, envolvendo todo o governo brasileiro e contando com apoio e participação do setor privado. 

Dentre essas iniciativas, merece destaque o desenvolvimento do Novo Processo de Exportação, concluído em 2016. Esse trabalho engloba o mapeamento dos processos atuais de exportação e a identificação de necessidades dos intervenientes públicos e privados para a criação de um fluxo contínuo de informações por meio do Portal Único.

Ou seja, podemos concluir que o Novo Processo de Exportação (NPE) promove um fluxo de informações mais eficiente e integração entre os intervenientes do comércio exterior públicos e privados. 

Sua implementação se deu junto ao Portal Único do Comércio Exterior, Siscomex, pela Receita Federal Brasileira em conjunto ao SECEX e desde então vem otimizando os processos de comércio exterior, seja diminuindo o tempo necessário entre as etapas, como também reduzindo custos inerentes às operações, o que aumenta a competitividade brasileira frente ao mercado externo.

E aí, gostou deste artigo? Então se inscreva no nosso blog e fique por dentro de mais notícias sobre exportação, importação e drawback. 😉

Sinara Bueno
Sinara Bueno

Despachante Aduaneira, formada em Comércio Exterior e empreendedora. Apaixonada por criar e inovar no Comex! Trabalhou na área de importação e exportação de indústrias, consultorias de comércio exterior e, nos últimos anos, tem se dedicado aos sistemas para comex. É co-founder da Fazcomex

Mini Curso - Por dentro do Novo Processo de Exportação
E-book - Tudo sobre a DU-E 2024