Exportação de Soja: Entenda melhor

A exportação da Soja foi introduzida comercialmente no Brasil na década de 1960, no Rio Grande do Sul e, nos últimos 50 anos, expandiu-se para todas as regiões do país.

O que você verá a seguir no nosso artigo:

  • A história da soja no Brasil;
  • O que é a exportação da Soja;
  • Projeções para a exportação de Soja; e
  • DU-E de exportação de Soja. 

A história da Soja no Brasil

Destaca-se seu crescimento nos cerrados do Centro-Oeste e, mais recentemente, para regiões do Norte e Nordeste, seguindo os caminhos da migração rural de empreendedores, e pequenos produtores.

Entre os fatores que levaram à expansão da cultura no Brasil, destacam-se:

  • Alta expressiva da cotação da soja no mercado internacional, a partir de meados dos anos 70. Tornando o produto competitivo no mercado internacional (exportação); 
  • Facilidades de mecanização total da cultura; 
  • Estabelecimento de uma rede de pesquisa de soja articulada, inclusive no Centro-Oeste; 
  • Substituição das gorduras animais, por óleos vegetais; 
  • Demanda por soja na ração para a então produção de suínos e aves; 
  • Política agrícola de incentivo a produção, principalmente o crédito agrícola; 
  • Eficiente rede privada no suprimento de insumos: sementes, corretivos, inoculantes, fertilizantes e agrotóxicos; e 
  • Agricultores empreendedores competentes e com capacidade gerencial.

O que é a exportação da Soja?

Plantio da Soja

A soja é a mais importante cultura agrícola do Brasil e abastece o mercado interno com óleo comestível e óleo para produção de biodiesel, bem como com farelo na produção de suínos e aves. Projeções indicam crescimento na demanda mundial da Soja, principalmente na Ásia, o que será uma ótima oportunidade de negócios para o Brasil. 

Exportação de soja é uma das maiores movimentações da economia do país, em junho deste ano registro a marca de 10,840 milhões de toneladas de acordo com a Abiove.

A seguir veja imagem com alguns dados divulgados pela Abiove.

Exportação de Soja – Abiove

Fonte: Abiove

A Abiove elevou a sua previsão de receita com a exportação do complexo Soja em 2019 de US$ 30,730 bilhões para US$ 32,062 bilhões. As projeções de preço médio foram mantidas em US$ 360/tonelada para soja em grão e US$ 350/tonelada para farelo.

O ajuste no volume exportado de Soja em grão de 68,1 milhões para 72 milhões de toneladas contribuiu para a elevação na receita.

Dados de Exportação da Soja

Fonte: Abiove

Projeções para a exportação da Soja

A produtividade da Soja é considerada pela Abiove como grande desafio nos próximos anos. Essa preocupação é evidenciada principalmente pelo fato de que as projeções da produtividade mostram uma relativa estagnação. A média nacional fica em torno de 3,3 toneladas por hectare.

Dentre as causas desta relativa estagnação, podem-se citar a falta de assistência técnica em muitas propriedades, ocorrências de problemas climáticos (secas durante o ciclo ou chuva na colheita) e a introdução em vastas regiões do sistema de produção de três safras/ano, o que permite ao produtor elevar sua rentabilidade total, mesmo com produtividades mais baixas para algumas culturas.

Soja no mundo

  • Produção: 362,075 milhões de toneladas; e
  • Área plantada: 125,691 milhões de hectares.

Fonte: USDA (12/06/2019)

Soja no Brasil (segundo maior produtor mundial do grão)

  • Produção: 114,843 milhões de toneladas;
  • Área plantada: 35,822 milhões de hectares; e
  • Produtividade: 3.206 kg/ha.

Fonte: CONAB (Levantamento de junho)

Entre 2017 e 2018 a produtividade de Soja no País foi de 3.385kg/ha, o que comprova uma elevação do nível anterior. 

Exportação de Soja

As exportações de farelo devem aumentar pouco até 2029 e as de óleo devem crescer 0,6 %. O consumo interno deverá ser nos próximos anos o principal fator para, então, impulsionar a produção de óleo de Soja. A  Abiove está projetando que a Soja para esmagamento e produção de biodiesel atinja em 2018, 18,7 milhões de toneladas e em 2019, 20,1 milhões de toneladas esmagadas. Para o farelo de Soja, na próxima década, cerca de 57,0% da produção deverão ser dirigidos ao consumo interno e 39,4% destinados às exportações.

Do ponto de vista interno, o Brasil pode capturar oportunidades, nos próximos anos, realizando ações de:

  • Melhorias na logística de transporte e
    armazenagem; 
  • Política agrícola moderna para crédito e seguro rural;
  • Geração de tecnologias sustentáveis e apoio à sua transferência;
  • Estrutura tributária menos complexa, favorecendo a exportação e adequação da legislação trabalhista às condições do campo;
  • Incentivos à agregação de valor.

DU-E de Exportação de Soja

Falando um pouco da parte operacional da exportação de soja, vale lembrar que a exportação de granel se enquadra em situação especial de despacho de exportação. Tal situação se justifica apenas em razão da incerteza em relação à quantidade exata exportada.

Assim sendo, é possível fazer DU-E de Embarque Antecipado. 

O embarque antecipado de mercadorias pode ser autorizado em diversas hipóteses, dentre elas: exportação de granéis, produtos da indústria siderúrgica e de mineração, produtos agroindustriais acondicionados em fardos ou sacaria, entre outros dispostos no 96 da IN RFB nº 1702/17.

Recentemente criamos um passo a passo da DU-E de Embarque Antecipado confira aqui.

E aí, gostou deste artigo? Então se inscreva no nosso blog e fique por dentro das novidades do comércio exterior.  😉

Sinara Bueno

Despachante Aduaneira, formada em Comércio Exterior e empreendedora. Apaixonada por criar e inovar no Comex! Trabalhou na área de importação e exportação de indústrias, consultorias de comércio exterior e, nos últimos anos, tem se dedicado aos sistemas para comex.

Software de Exportação - Mais Agilidade no Processo de Exportação