Importação de Petróleo da Rússia

O preço do barril de petróleo fechou aos US$ 110 na última quinta-feira (03/03) no mercado mundial, depois de chegar a encostar nos US$ 120 durante o dia. O patamar atual não era registrado desde 2014 e foi retomado a partir da invasão russa à Ucrânia.

Hoje nós vamos falar da Importação de Petróleo da Rússia. Quer saber mais sobre os dados mais recentes referente a compra deste produto? Então pegue o seu café e continue conosco!

Vamos lá? 😉

Importação de Petróleo da Rússia

Em 2021, o Petróleo foi o 3º produto mais importado da Rússia, representando 7,6% das importações junto ao país europeu, isso equivale a um valor gasto de US$ 433 milhões.

Confira a seguir a relação dos produtos mais importados em 2021 da Rússia:

A seguir, confira quais foram os principais produtos importados da Rússia no ano de 2021.

Principais produtos importados % Valor FOB
Adubos ou fertilizantes químicos (exceto fertilizantes brutos) 62 3,5 bilhões
Carvão 8,4 480 milhões
Óleos combustíveis de petróleo 7,6 433 milhões
Produtos semi-acabados, lingotes 6,5 368 milhões
Demais produtos – Indústria de Transformação 4,5 254 milhões
Alumínio 2,5 143 milhões
Prata, platina e outros metais do grupo da platina 2,4 138 milhões
Produtos laminados planos de ferro ou aço 2,1 120 milhões
Borrachas sintéticas 1,2 85,9 milhões
10º Preparações e cereais de farinha 1,2 66,6 milhões

Fonte: ComexStat

Países que o Brasil mais compra petróleo

A lista dos países que o Brasil mais comprou petróleo em 2021 é puxada pelos Estados Unidos, seguido da Índia. A Rússia é a 6ª colocada. Confira a lista dos 5 países que mais importamos petróleo:

  1. Estados Unidos
  2. Índia
  3. Emirados Árabes
  4. Países Baixos (Holanda)
  5. Espanha
  6. Rússia
  7. Arábia Saudita
  8. Togo
  9. Malásia
  10. Argentina

Para Ilustrar:

Fonte: ComexStat – Dados do ano de 2021

👉 Confira o nosso artigo sobre Importância da OTAN para as relações dos países!

Aumento do Barril de Petróleo causado pela Guerra

A escalada do preço ocorre conforme crescem as preocupações de que as sanções, tendo a Rússia como alvo, prejudiquem o fornecimento de energia para o restante do mundo.

Não por acaso, o recorde anterior, em 2014, ocorreu durante um episódio geopolítico envolvendo o país eslavo. Foi o ano da anexação da Crimeia, uma península da Ucrânia por parte da Rússia. O movimento do presidente russo, Vladimir Putin, fez com que o valor do barril alcançasse o pico no dia 30 de outubro, quando foi cotado em US$ 87, equivalente a US$ 112 com a correção dos valores atuais.

No contexto atual, mesmo antes da invasão da Ucrânia, a oferta mundial de petróleo já não conseguia acompanhar a demanda na retomada da atividade econômica, à medida que as medidas restritivas contra a Covid-19 eram flexibilizadas. A preocupação com os preços da commodity se intensifica dada a importância da produção russa.

Economia Russa

Rússia não é uma superpotência, pelo menos não quando se trata da economia global. Seu produto interno bruto a coloca apenas como a 12ª maior economia do mundo, de acordo com o Fundo Monetário Internacional, cerca de 25% menor que a Itália e mais de 20% menor que o Canadá, dois países com uma fração de sua população.

O país russo é o maior exportador mundial de gás natural e um dos maiores exportadores de petróleo. Alguns especialistas dizem que cortar essas exportações pode elevar os preços dessas commodities em até 50% segundo algumas estimativas, muito mais do que os picos mais modestos de um dígito nos preços observados na semana passada.

👉 Leia também o nosso artigo sobre as Exportações para a Rússia!

História do Petróleo no Brasil

No Brasil, a existência do petróleo já era contudo computada durante os tempos do regime imperial. Nessa época, o Marquês de Olinda cedeu o direito a José Barros de Pimentel de realizar a extração de betume nas margens do rio Marau, na Bahia. Até as primeiras décadas do século XX, alguns estudiosos e exploradores anônimos tentaram perfurar alguns poços de petróleo, todavia, sem obter êxito. Contudo, em 1930, o engenheiro agrônomo Manoel Inácio de Basto mudou essa situação.

Com base no relato de populares, ele teve a informação de que os moradores de Lobato, bairro suburbano de Salvador, utilizavam uma “lama preta” como combustível de suas lamparinas. Instigado por tal notícia, realizou testes e experimentos que atestavam a existência de petróleo nessa localidade. Contudo, não possuía contatos influentes que poderiam investir em sua descoberta. Persistente, em 1932, conseguiu entregar ao presidente Getúlio Vargas um laudo técnico com o achado.

👉 Nessa mesma década, a descoberta de importante riqueza foi sobretudo cercada por uma série de medidas institucionais do governo brasileiro. Em 1938, a discussão sobre o uso e a exploração dos recursos do subsolo brasileiro viabilizou a criação do CNP – Conselho Nacional.  No ano seguinte, enfim o primeiro poço foi encontrado no bairro de Lobato.

A descoberta do pré-sal inegavelmente ainda instiga várias indagações que somente serão respondidas na medida em que esse novo campo de exploração for devidamente conhecido. Até lá, espera-se sobretudo que o governo brasileiro tenha condições de traçar as políticas que definam a exploração dessa nova fonte de energia. Enquanto isso, são várias as especulações sobre como a exploração da camada pré-sal poderá modificar a economia e a sociedade brasileira.

👉 Quanto a crise entre Ucrânia e Rússia, gigantes do Comércio Exterior já emitiram notas referente a este assunto, confira nosso artigo sobre MSC e Maersk interromperem o transporte marítimo para a Rússia!

E aí, gostou deste artigo? Então se inscreva no nosso blog e fique por dentro de mais notícias sobre exportação, importação e drawback. 😉

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 4

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Resumo

Qual o valor da importação de petróleo da Rússia?

Em 2021, o Brasil importou um total de US$ 433 milhões referente a compra de petróleo da Rússia.

Sinara Bueno

Despachante Aduaneira, formada em Comércio Exterior e empreendedora. Apaixonada por criar e inovar no Comex! Trabalhou na área de importação e exportação de indústrias, consultorias de comércio exterior e, nos últimos anos, tem se dedicado aos sistemas para comex. É co-founder da Fazcomex Tecnologia para comércio exterior.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade. Conheça nosso Portal da Privacidade e veja a nossa nova Política.