Exportações brasileiras para os Países Baixos

No artigo de hoje falaremos sobre mais um parceiro comercial do Brasil que é Países Baixos. A Holanda é a 8ª maior economia de exportação do mundo e na economia mais complexa 18º acordo com o Índice de Complexidade Econômico (ICE).

Os Países Baixos conhecido também como Holanda, é uma nação constituinte do Reino dos Países Baixos localizada na Europa ocidental. O país está entre os 10 maiores exportadores do mundo.

É conhecido por suas paisagens planas, com canais, campos de tulipas, moinhos de vento e rotas de ciclismo. Sua capital abriga o Rijksmuseum, o Museu de Van Gogh e a casa onde a judia Anne Frank se escondeu durante a Segunda Guerra Mundial. Agora vamos então conhecer um pouco mais das exportações que vão do Brasil para o país.

Relação comercial Brasil x Países Baixos

As relações entre Brasil e Países Baixos são as relações diplomáticas estabelecidas entre a República Federativa do Brasil e os Países Baixos. O Brasil possui uma embaixada em Haia e os Países Baixos possuem uma embaixada em Brasília.

Países Baixos é um dos principais parceiros comerciais do Brasil e em 2019 não foi diferente.

Atualmente, a troca comercial entre Brasil e Holanda chega a sete bilhões de euros, e cerca de 10% da carga do principal porto da União Européia, o de Rotterdam, vem do Brasil. Atualmente, a Holanda é o maior mercado brasileiro na Europa, recebendo quase 5% das vendas do Brasil para o Exterior. No total, cerca de oito mil empresas estrangeiras já se instalaram nos países baixos.

Leia também sobre as importações dos Países Baixos.

Exportações para Países Baixos

As exportações de 2019 para os países baixos foi em tese menor que no ano de 2018, o que deixou o país como o 3º colocado no ranking de países para onde o Brasil mais exportou em 2019. Em questão de números podemos perceber a diferença considerável, 2018 a receita arrecadada foi de US$ 13,1 bilhões, enquanto em 2019 foram exportados em receita cerca de US$ 10,1 bilhões.

2019 gerou então um saldo positivo de US$ 8 bilhões, ou seja, em 2019 o Brasil exportou mais produtos do que importou dos Países Baixos.

O ano de 2020 já iniciou consideravelmente bem gerando 1,27 bilhão entre janeiro e fevereiro, uma queda de 6,2% se comparado ao mesmo período do ano anterior.

Produtos exportados para Países Baixos

Principais produtos exportados para Países Baixos Valor FOB US$
Plataformas, embarcações e outras estruturas flutuantes 1,50 bilhão
Obras de ferro ou aço e outros artigos de metais comuns 1,11 bilhão
Farelo de soja 924 milhões
Minério de ferro e seus concentrados 910 milhões
Ferro-gusa, spiegel, ferro-esponjas, etc. 707 milhões
Celulose 651 milhões
Soja 605 milhões
Suco de frutas ou vegetais 526 milhões
Torneiras, válvulas e dispositivos semelhantes para canalizações 449 milhões
10º Petróleo 404 milhões

Fonte: ComexStat– janeiro a fevereiro de 2019

Para Ilustrar:

O principal produto exportado em 2019 foi Plataformas, embarcações e outras estruturas flutuantes, que exportou em valor FOB US$ 1,50 bilhão e correspondeu a 15% do total das exportações. Em seguida aparece Obras de ferro ou aço que gerou uma receita de US$ 1,11 bilhão. Na nossa lista com os principais produto exportados para o país aparecem também, soja, farelo de soja, petróleo, entre outros.

Economia Países Baixos

A Holanda é a sexta maior potência econômica da Europa e o quinto maior exportador de mercadorias. Nos últimos dois anos, a recuperação na Europa tem permitido que a economia cresça em um um ritmo dinâmico e, apesar de um ciclo de negócios em amadurecimento, o crescimento do país permaneceu resiliente em 2019, com 1,8% do PIB (ante 2,6% no ano anterior). Os principais propulsor do crescimento é a demanda interna e as exportações, porém a incerteza do comércio a nível mundial e os baixos investimentos em negócios deverão contribuir para uma desaceleração moderada da economia holandesa, com uma projeção de 1,6% e 1,5% para 2020 e 2021, respectivamente.

Nos últimos anos a política fiscal do governo tem sido expansionária, apesar das finanças públicas holandesas permanecerem sólidas: em 2019, a balança comercial foi estimada em 1,5% do PIB pela Comissão Europeia, pois os gastos governamentais mais altos foram compensados por maiores receitas tributárias (especialmente para impostos indiretos). Um aumento adicional das despesas do governo deve levar a um superávit menor de 0,5% em 2020. A inflação aumentou em 2019, alcançando 2,5%, impulsionada pelo aumento da redução dos impostos sobre o IVA e do aumento dos salários, porém se espera um retorno aos níveis normais para cerca de 1,6% neste ano. O governo está planejando aumentar os gastos nos setores de pensões e mudanças climáticas, bem como infraestrutura e habitação. O futuro das negociações do Bréxit também pode ter um impacto sobre as perspectivas do comércio holandês.

E aí, gostou deste artigo? Então se inscreva no nosso blog e fique por dentro das novidades do comércio exterior.  😉

Resumo

Sinara Bueno

Despachante Aduaneira, formada em Comércio Exterior e empreendedora. Apaixonada por criar e inovar no Comex! Trabalhou na área de importação e exportação de indústrias, consultorias de comércio exterior e, nos últimos anos, tem se dedicado aos sistemas para comex. É co-founder da Fazcomex Tecnologia para comércio exterior.