Exportações brasileiras para o Equador

Localizado na costa oeste da América Latina, hoje falaremos das exportações brasileiras para o Equador. Fazendo fronteira com o Peru e Colômbia, o Equador importa, em suma, petróleo refinado, óleo de alcatrão de carvão, automóveis, medicamentos embalados e gás de petróleo de diversos países.

Atualmente, em 49º lugar no ranking de exportação no Brasil, caindo algumas posições se comparado ao mesmo período do ano anterior.

Essa é a hora certa de você pegar um café e conferir conosco as exportações brasileiras para o Equador! ☕

Imagem: Foto / Pixabay.

Exportações brasileiras para o Equador: dados

As exportações brasileiras para o Equador, entre janeiro e outubro de 2020, resultaram em US$ FOB 480,6 milhões em produtos, que correspondem a uma queda de -32% com relação ao mesmo período de 2019.

Enquanto o Equador participa de 0,05% da importação no Brasil: principais produtos importados, na exportação, o país latino-americano é responsável por 0,3% das vendas brasileiras.

Até o momento, a balança comercial do Equador e Brasil está marcada por um superávit de US$ FOB 417,1 milhões, o que significa que o Brasil está mais exportando do que importando.

Imagem: Ilustração. Comex Stat.

Principais produtos exportados do Brasil para o Equador

Os principais produtos exportados do Brasil para o Equador, em 2020, foram:

  1. Papel e cartão
  2. Produtos laminados de ferro ou aço
  3. Demais produtos – Indústria da Transformação
  4. Veículos automóveis de passageiros
  5. Polímeros de etileno

O ranking de cinco principais produtos está composto inteiramente pelo setor da Indústria da Transformação. Dentre os principais produtos gerais que o Equador exporta — que foram citados no início do texto — o Brasil está responsável pelos veículos.

Em 1º lugar, papel e cartão, que correspondem a 6,4% das exportações e totalizam uma receita de US$ FOB 30,8 milhões. É importante falar do crescimento da exportação brasileira de celulose, que é a matéria-prima para a produção de papel que, posteriormente, é vendida para o Equador.

Os produtos laminados planos de ferro ou aço participam de 6,3% das exportações e resultaram em US$ FOB 30,4 milhões.

Na terceira posição, Demais produtos – Indústria da Transformação, que abrangem 4,7% das exportações brasileiras para o Equador e, convertido em dólares, dá US$ FOB 22,6 milhões.

Veículos automóveis de passageiros, que é um dos produtos que o equador mais exporta, segundo o portal de estatísticas e dados OEC, os automóveis brasileiros ocupam o espaço de 3,8% das exportações e somam US$ FOB 18,1 milhões.

E em 5º e último lugar em nosso ranking, polímeros e etileno, em formas primárias, com 3,5% e US$ FOB 16,7 milhões.

Abaixo, confira uma ilustração dos produtos que participam das exportações brasileiras para o Equador:

Imagem: Ilustração. Comex Stat.

A participação do Equador no Mercosul

O Equador é um Estado Associado do Mercosul, o que significa países que assinaram tratados de livre comércio com o Mercosul, a fim de estimular suas economias e trocas comerciais, mas não possuem as mesmas vantagens que os Estados Membros.

Nos acordos, o Equador aparece no Acordo de Complementação Econômica nº 59, firmado entre Mercosul, Colômbia, Equador e Venezuela, em 16/12/2003, e incorporado ao ordenamento jurídico brasileiro mediante o Decreto nº 5361/05.

👉 Conheça os países participantes, acordos, exportações, importações e muito mais sobre o Mercosul em nosso artigo.

 

E aí, gostou deste artigo? Então, inscreva-se no nosso blog e fique por dentro das novidades de Exportação, Importação e Drawback. 😉

Resumo

O que o Brasil exporta para o Equador?

Os principais produtos exportados do Brasil para o Equador, em 2020, foram: papel e cartão, produtos laminados de ferro ou aço, demais produtos - Indústria da Transformação, veículos automóveis de passageiros e polímeros de etileno.

Equador faz parte do Mercosul?

O Equador é um Estado Associado do Mercosul, o que significa países que assinaram tratados de livre comércio com o Mercosul, a fim de estimular suas economias e trocas comerciais, mas não possuem as mesmas vantagens que os Estados Membros.

Sinara Bueno

Despachante Aduaneira, formada em Comércio Exterior e empreendedora. Apaixonada por criar e inovar no Comex! Trabalhou na área de importação e exportação de indústrias, consultorias de comércio exterior e, nos últimos anos, tem se dedicado aos sistemas para comex. É co-founder da Fazcomex Tecnologia para comércio exterior.

Tenha o roteiro de elaboração da DU-E em mãos!