Saiba o que é o Estreito de Malaca

Atualizado em: por Sinara Bueno.

Hoje vamos falar de uma das mais importantes vias marítimas do mundo: o Estreito de Malaca, que interliga os oceanos Índico e Pacífico.

E-book - passo a passo DU-E

Vamos conhecer mais desse relevante caminho marítimo que é o Estreito de Malaca! 😉 

O que é o Estreito de Malaca?

O Estreito de Malaca localiza-se entre a Malásia e a ilha indonésia de Sumatra. É nomeado desta forma por conta do Sultanato de Malaca, que governou o arquipélago entre 1400 e 1511. A Organização Hidrográfica Internacional define os limites do estreito de Malaca como limitado ao leste pela linha que une Pedropunt, o ponto mais setentrional de Sumatra e Lem Voalan, a extremidade sul da ilha de Phuket, na Tailândia; no centro, pela linha que une Tanjong Piai, na extremidade sul da Península Malaia, e Klein Karimoen; ao Norte. pela costa sudoeste da Península Malaia e ao sul, pela costa nordeste da ilha de Sumatra.

Para ilustrar:

Estreito de Malaca

Com cerca de 900 quilômetros de comprimento, o Estreito de Malaca é o principal gargalo da Ásia e uma das rotas marítimas mais congestionadas. O canal liga o continente ao Oriente Médio e à Europa, e por ele passam cerca de 40% do comércio mundial. Mais de 100 mil navios o atravessam por ano.

Em seu ponto mais estreito, em Cingapura, ele tem apenas 2,7 quilômetros de largura, criando um gargalo natural e uma área propícia a colisões, encalhamentos ou derramamentos de óleo.

Cerca de 16 milhões de barris de petróleo passaram pelo canal em 2016, fazendo dele a segunda passagem de combustíveis mais relevante do mundo. O estreito tem importância estratégica crescente para Pequim. Cerca de 80% das importações de petróleo cru da China passam por ele, provenientes do Oriente Médio e da África.

A origem do Estreito de Malaca

No século 7, o império marítimo de Srivijaya (antigo império malaiolocalizado na ilha de Sumatra no sudeste asiático) com base em Palembang (Sumatra), subiu ao poder e sua influência se expandiu para a península malaia e Java . O império obteve controle efetivo sobre dois principais pontos de estrangulamento no sudeste da Ásia marítima: o Estreito de Malaca e o Estreito de Sunda. Ao lançar uma série de conquistas e ataques a portos rivais em potencial em ambos os lados do estreito, Srivijaya garantiu seu domínio econômico e militar na região, que durou cerca de 700 anos. Srivijaya obteve grandes benefícios com o lucrativo comércio de especiarias com mercadores chineses, indianos e árabes. 

Conheça também nosso texto sobre os Principais Portos Africanos.

O Estreito de Malaca tornou-se uma importante rota de comércio marítimo entre a Índia e a China. A importância do Estreito de Malaca nas redes de comércio global continuou até séculos posteriores com a ascensão do Sultanato de Malaca no século 15, o Sultanato de Johor e a ascensão da moderna cidade-estado de Cingapura .

Desde o século 17, o estreito tem sido o principal canal de navegação entre o Oceano Índico e o Oceano Pacífico. Várias grandes potências regionais administraram o estreito durante diferentes períodos históricos.

No início do século 19, os impérios holandês e britânico traçaram uma linha de fronteira arbitrária no estreito e prometeram caçar piratas em seus respectivos lados; essa linha passou a se tornar a fronteira atual entre a Malásia e a Indonésia.

Importância econômica

Econômica e estrategicamente, o Estreito de Malacca faz parte de uma das rotas marítimas mais importantes do mundo. O estreito é a principal via de navegação entre o Oceano Índico e o Oceano Pacífico, o qual liga as principais economias asiáticas, como Índia, China, Japão e Coréia do Sul. Cerca de um quarto de todo o petróleo transportado por mar passa por Malacca, principalmente a partir do Golfo Pérsico para os mercados de China e Cingapura.

O tamanho máximo de um navio que pode fazer a passagem através do estreito é referido como Malaccamax. O estreito não é profundo o suficiente, com 25 metros, para permitir que alguns dos maiores navios (principalmente petroleiros) possam utilizá-lo em plenas condições de carregamento máximo. Um navio que exceda o padrão Malaccamax normalmente usará o Estreito de Lombok, vizinho de Malacca.

No ponto conhecido como canal Phillips, perto do sul de Cingapura, o Estreito de Malaca restringe seu tamanho natural a 2,8 km de largura, criando um dos pontos de estrangulamento de tráfego mais consideráveis do planeta.

A importância do Estreito de Malaca para a China

O crescimento da economia chinesa nas últimas décadas tem sido acompanhada por uma crescente dependência de petróleo para suprir a enorme demanda do país asiático. Enquanto os Estados Unidos adquirem tais recursos em grande parte no Hemisfério Ocidental, a China é muito mais dependente de reservas de lugares como Irã, Arábia Saudita e Angola, o que significa que os navios cargueiros necessitam transitar por pequenos corredores marítimos para alcançar seu destino final. 

Quase 80% das importações de petróleo da China passam por uma pequena faixa d’água que conecta o mar de Andamão e o mar do Sul da China, de apenas 1,5 milhas de largura e de 25 metros de profundidade, conhecido como Estreito de Malaca .

Como o petróleo está intimamente conectado ao crescimento econômico e estabilidade política chinesa, não é de se espantar a importância estratégica do Estreito de Malaca para o governo chinês. Essencialmente, quem controla o estreito possui a habilidade de romper um corredor energético vital para a China. 

Indubitavelmente, o Estreito de Malaca se apresenta como crucial para o governo de Pequim, tendo em vista seu papel fundamental para o fornecimento de energia para a nação asiática e de garantia para a estabilidade econômica e política do país.

Curiosidades sobre outras importantes Rotas Comerciais Marítimas

  1. Estreito de Ormuz: Conheça também o Estreito de Ormuz, no Oriente Médio, que também é uma das principais rotas de comércio do mundo. E trata-se de uma via marítima estratégica por onde transita mais de 33% do petróleo mundial e 20% do transporte marítimo mundial.
  2. Canal do Panamá: O Canal do Panamá é um canal artificial de 82 km de comprimento, que corta o Panamá, ligando os oceanos Pacífico e Atlântico. Trata-se de um marco da engenharia do século XX, criado para facilitar o comércio marítimo mundial. O canal permite que os navios evitem a longa rota do Cabo Horn em torno da ponta mais meridional da América do Sul, onde ventos fortes, correntes e icebergs fazem dessas águas uma das mais difíceis do mundo.
  3. Canal de Suez: O Canal de Suez é um canal artificial, que atualmente possui 193,3 km de comprimento, e corta o Egito ligando os mares Mediterrâneo e Vermelho. Dessa forma, o Canal de Suez permite a comunicação marítima entre a Europa e a Ásia sem a necessidade de realizar o contorno do continente africano, o que acrescentaria um mês de viagem.
  4. Estreito de Gibraltar: O Estreito de Gibraltar é um canal marítimo que separa dois continentes: África e Europa. Está localizado entre o sul da Espanha. Ele une o Mar Mediterrâneo (leste) ao Oceano Atlântico (oeste) e possui aproximadamente 15 quilômetros de distância e cerca de 300 a 1.000 metros de profundidade. É resultado da separação das placas tectônicas: Euroasiática e a Africana e foi durante séculos rota de passagem para navios mercantes que realizavam transações comerciais. Atualmente, estima-se que perto de 90 mil embarcações cruzem essa passagem anualmente e que, em média, passe pelo local uma embarcação a cada seis minutos.

Confira também nosso artigo: Os maiores gargalos do transporte marítimo mundial

O que é Logística Internacional?

A Logística Internacional é uma ferramenta fundamental para a expansão do comércio exterior, e deve ser utilizada de forma estratégica para diferencial competitivo nas negociações internacionais.

A globalização tem tornado as empresas cada vez mais competitivas e com conceitos modernos aos seus procedimentos, negócios e produtos. Esse processo está integralmente ligado aos processos de compra, armazenagem e distribuição das mercadorias.

E aí, gostou deste artigo sobre o Estreito de Malaca, como funciona o Estreito de Malaca e onde fica o Estreito de Malaca? Então se inscreva no nosso blog e fique por dentro de mais notícias sobre exportação, importação e drawback. 😉

Sinara Bueno
Sinara Bueno

Despachante Aduaneira, formada em Comércio Exterior e empreendedora. Apaixonada por criar e inovar no Comex! Trabalhou na área de importação e exportação de indústrias, consultorias de comércio exterior e, nos últimos anos, tem se dedicado aos sistemas para comex. É co-founder da Fazcomex

Webinário - Como elaborar e automatizar a DU-E na prática